Autorretrato: Leonardo Francellino

O que é ser um escritor negro no Brasil?

Ser escritor negro no Brasil é ser apagado, é ser reconhecido somente como escritor marginal e não como um escritor comum, como todos os outros. Não  somos iguais aos Drummonds brasileiros.

Somos encondidos pela branquitude literaria.

Ser um escritor negro no Brasil é passatempo, nunca seremos vistos como pensadores e inovadores.
Temos Machado de Assis o maior dos maiores, a constelação alfa, o sol das galáxias, mas e outros? Por quê  suas vozes são abafadas?
“O trauma que eu carrego para não ser mais um Preto fudido”, entende a frase? Entende o conceito de -escritor fodido?
A literatura brasileira têm cor e ela é branca.

Meu autorretrato é de um poeta, negro cis, desempregado: Professor-poeta-desempregado. Sou mais um dos milhões de “desocupados” do Brasil. E desta violência registrada em cartório eu tiro minha poesia. Minha poesia não é marginal, minha poesia é revoltada mesmo, é inteligente; tem poucas rimas, mas têm pegada, pegadadenegaopoeta. Sentiu o drama?

Ao leitor que agora se segura na cadeira eu digo: vamos viajar muito é dialogar sobre muitas questões e se você for um escritor negro e se sentiu representando, me chame quero te conhecer.

Axé!

Leonardo Francellino
Poeta, tem dois livros publicados e mais cinco engavetados. Estudante de Letras. Pesquisa sobre literatura e arte. Homem negro cis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *